20/02 – Dia Nacional de Combate às Drogas e ao Alcoolismo

20/02/2019

Saúde



20/02 – Dia Nacional de Combate às Drogas e ao Alcoolismo



Foto: Pixabay License - imagem grátis para uso

As drogas, sejam elas lícitas ou ilícitas podem causar dependência, e nesse caso é classificada como doença pela Organização Mundial da Saúde - OMS.


Mesmo que alguns não aceitem ou façam vistas grossas, o uso de entorpecentes é realidade e circula em diferentes faixas etárias e esferas da sociedade.


Com o aumento de usuários em todo o planeta, a comunidade internacional estuda o impacto que essas substâncias provocarão na saúde e no comportamento das pessoas nos próximos anos.


No relatório mais recente (de 2017) sobre o cenário do uso e drogas no planeta, divulgado pela ONU, detalha que em 2015 cerca de 250 milhões de pessoas usavam drogas. Dessas, cerca de 29,5 milhões de pessoas - ou 0,6% da população adulta global - apresentaram transtornos relacionados ao consumo de drogas, incluindo a dependência.


No Brasil, não há dados atualizados sobre o consumo de drogas. Porém, no Portal Aberta, site criado pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas - SENAD, em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, disponibiliza informações de relatórios anteriores e gráficos que auxiliam a compreender um pouco mais o perfil dos usuários e o acesso a esses tipos de substâncias.


De acordo com o levantamento da SENAD (2010) e disponibilizado pelo Portal Aberta, evidencia que os jovens têm acesso às drogas desde o início da adolescência. No comparativo dos anos de 2004 e 2010, os estudantes do 9° ano e do ensino médio da rede pública e particular foi o grupo analisado. Nessa aferição, houve uma queda no consumo de drogas, como: álcool, tabaco, solventes e inalantes, por exemplo. Mas ainda é um percentual preocupante.


Foto: Pixabay License - imagem grátis para uso

Já os universitários, o consumo de álcool foi de 72% no ano de 2010, sendo a substância lícita mais consumida por esse grupo no Brasil. O tabaco atingiu 28% de usuários dentro desse perfil de estudante de ensino superior.


Em relação as drogas ilícitas, a maconha foi a mais usada pelos acadêmicos, 14% no total 36% de universitários que responderam ter consumido alguma substância ilegal. Destaque também para drogas sintéticas, como ecstasy, com 3,1% de usuários.


As regiões sudeste e sul foram as com maior índices de consumo de drogas, enquanto as regiões norte e nordeste tiveram os menores percentuais, informação que colabora para "mapear" a realidade da droga no Brasil.


BUSCA POR AJUDA


Foto: Pexels - Imagem grátis para uso

É difícil o próprio usuário ter consciência que o consumo se tornou uma compulsão, um vício. Muitos por considerar a bebida alcoólica e o cigarro como substâncias com graus menores de dependência em comparação ao crack, maconha, LSD, por exemplo. Por isso, é fundamental a percepção e apoio aos dependentes para procurar acompanhamento de tratamento.


O Ministério da Saúde indica as Unidades Básicas de Saúde (UBS), os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e os Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas III (CAPS AD). O atendimento conta com equipes multiprofissionais compostas por especialistas para realizar o acompanhamento (médico psiquiatra, clínico geral, psicólogos, dentre outros profissionais).


PREVENÇÃO


Foto: Pixabay - imagem grátis para uso

Não há ambiente "imune" às drogas. A informação e consciencialização dos possíveis efeitos dessas substâncias são as principais maneiras de decidir não consumi-las.


Manter uma vida regrada, com alimentação balanceada, vida social sadia, prática de exercícios físicos e atividades de relaxamento, como meditação e yoga, além de acompanhamento psicológico, se necessário, podem ser conjuntos de ações que possam o afastar da vulnerabilidade causada pelo uso de drogas legais e ilegais.


Fontes da matéria:


> Organização Mundial de Saúde - OMS;

> Organização das Nações Unidas - ONU;

> Portal Aberta (Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas - SENAD / Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC);

> Ministério da Saúde - MS.

© 2020 - Vitor Catanho

Todos os direitos reservados

  • https://www.youtube.com/channel/UCZz
  • Black LinkedIn Icon