Bolsonaro participa de manifestação que pedia intervenção militar e o fim do isolamento social

19/04/2020

Política


Bolsonaro participa de manifestação que pedia intervenção militar e o fim do isolamento social


Foto: reprodução internet - live no facebook

Em frente ao Quartel General do Exército, em Brasília na tarde deste domingo (19/04), Jair Bolsonaro participou de ato com manifestantes que pediam a intervenção militar sob o comando do presidente, o fechamento do congresso, Supermo Tribunal Federal e o fim do isolamento social - medida adotada por alguns estados devido ao crescimento da covid-19 no país.


Os manifestantes da carreata pró-Bolsonaro também pediram a volta do AI-5 - Atos Institucionais n° 5, que consistiu na época da ditadura militar na perda de mandatos de parlamentares contrários aos militares, intervenções ordenadas pelo presidente nos municípios e estados e também na suspensão de quaisquer garantias constitucionais que eventualmente resultaram na institucionalização da tortura, normalmente usada como instrumento pelo Estado.


Bolsonaro foi recebido pelos apoiadores com placas e gritos de "mito" e com a frase "a nossa bandeira jamais será vermelha", que respondia os presentes no ato com acenos. Ele subiu na caçamba de um carro e discursou por cerca de três minutos, com transmissão ao vivo para as redes sociais.


Fala na íntegra de Bolsonaro na manifestação:


"Eu estou aqui porque acredito em vocês, vocês estão aqui porque acreditam no Brasil. Nós não queremos negociar nada, nós queremos ação pelo Brasil.


O que tinha de velho fica pra trás. Nós temos um novo Brasil pela frente. Todos, sem exceção no Brasil, têm que ser patriotas e acreditar e fazer a sua parte para que nós possamos colocar o Brasil num lugar de destaque que ele merece.


Acabou a era da patifaria, é agora o povo no poder. Mas que um direito, vocês têm a obrigação de lutar pelo país de vocês. Contem com o seu presidente pra fazer tudo aquilo que for necessário, para que nós possamos manter a nossa democracia e garantir aquilo de mais sagrado, que é a nossa liberdade.


Todos no Brasil têm que entender que são submissos à vontade do povo brasileiro. Tenho certeza, todos nós um dia juramos a vida pela pátria e vamos fazer o que for possível para mudar o destino do Brasil. Chega da velha política. Agora é Brasil acima de tudo, Deus acima de todos".


A participação do presidente na manifestação causou indignação na classe política. No Twitter o ministro do STF, Luís Roberto Barroso foi um dos primeiros a comentar a postura do presidente:


"É assustador ver manifestações pela volta do regime militar, após 30 anos de democracia. Defender a Constituição e as instituições democráticas faz parte do meu papel e do meu dever. Pior do que o grito dos maus é o silêncio dos bons (Martin Luther King). Só pode desejar intervenção militar quem perdeu a fé no futuro e sonha com um passado que nunca houve. Ditaduras vêm com violência contra os adversários, censura e intolerância. Pessoas de bem e que amam o Brasil não desejam isso".


Na mesma rede social, o presidente da Câmara dos Deputados e deputado federal pelo Rio de Janeiro, Rodrigo Maia, destacou que o Brasil além de lutar contra a covid-19 também tem o vírus do autoritarismo para combater e complementou:


"É mais trabalhoso, mas venceremos. Em nome da Câmara dos Deputados, repudio todo e qualquer ato que defenda a ditadura, atentando contra a Constituição.Para vencer esta guerra contra o corovírus precisamos de ordem, disciplina democrática e solidariedade com o próximo. Defender a ditadura é estimular a desordem. É flertar com o caos. Pois é o Estado Democrático de Direito que dá ao Brasil um ordenamento jurídico capaz de fazer o País avançar com transparência e justiça social. São, ao todo, 2462 mortes registradas no Brasil. Pregar uma ruptura democrática diante dessas mortes é uma crueldade imperdoável com as famílias das vítimas e um desprezo com doentes e desempregados. Não temos tempo a perder com retóricas golpistas. É urgente continuar ajudando os mais pobres, os que estão doentes esperando tratamento em UTIs e trabalhar para manter os empregos. Não há caminho fora da democracia".


Veja algumas das declarações feitas por outros políticos sobre o apoio do presidente Jair Bolsonaro no protesto de hoje.


© 2020 - Vitor Catanho

Todos os direitos reservados

  • https://www.youtube.com/channel/UCZz
  • Black LinkedIn Icon