“Menino veste azul e menina veste rosa”, diz Damares

04/01/2019


Política


“Menino veste azul e menina veste rosa”, diz Damares


Foto: Reprodução da Internet (YouTube)

“Atenção, atenção: menino veste azul e menina veste rosa! É uma nova era no Brasil”. A frase dita num vídeo pela Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, no dia de transmissão de cargos (02/01), gerou polêmica e discussão sobre identidade de gênero.


O vídeo viralizou na internet, e instantaneamente com as hastags ‘cor não tem gênero’ e ‘cor tem gênero’ recebeu comentários favoráveis e contra o posicionamento de Damares, que é a responsável pela pasta com atribuições a proteção aos direitos humanos.


Em entrevista aos jornalistas da GloboNews, na quinta-feira (03/01), Damares disse que o governo continuará combatendo o preconceito e trabalhará para não haver, no que considera exageros, a doutrinação ideológica nas escolas. “Vamos continuar combatendo o preconceito, mas sem confundir as crianças em relação as suas identidades”.



A ministra afirmou que não se arrependeu da frase, pois a declaração foi uma metáfora. Explicou usando as campanhas do outubro rosa (combate ao câncer de mama) e novembro azul (combate ao câncer de próstata), que são associadas a cores rosa e azul para mulheres e homens, respectivamente.


Foto: Reprodução da Internet | GloboNews

“Quando eu quis dizer que menina veste rosa e menino veste azul, eu quis dizer que vamos estar respeitando a identidade biológica das crianças. E digo mais, podemos chamar menina de princesa e menino de príncipe, e isso, não traz nenhuma confusão para criança”.


Com relação a outra declaração sobre o Estado ser laico, ela é 'terrivelmente cristã', alegou: "Estão com medo de uma pastora ministra de Direitos Humanos. A partir do momento que entro no ministério, não posso arrancar de mim a minha fé.Foi isso que quis dizer. Não estou querendo impor nenhuma religião".


As primeiras propostas da pasta da família


Questionada sobre a inclusão da palavra família no ministério, Damares revelou que a proposta da pasta é pensar em políticas públicas permanentes, promovendo o 'fortalecimento dos vínculos e configurações familiares'.


“Eu preciso explicar que eu e minha filha somos uma configuração familiar diferente. Eu sou uma mulher sozinha e com uma filha indígena. E isso é uma família, e ninguém vai tirar isso de nós”.

Ministra Damares Alves



Como medida, pretende criar dentro do ministério a secretaria nacional da família, para tratar das questões inerentes a pasta e também colaborar com os demais ministérios e órgãos governamentais sobre o tema. Ela acredita que essas ações trará mais 'visibilidade e protagonismo' as famílias.

© 2020 - Vitor Catanho

Todos os direitos reservados

  • https://www.youtube.com/channel/UCZz
  • Black LinkedIn Icon