RICARDO BOECHAT MORRE EM ACIDENTE AÉREO EM SÃO PAULO

11/02/2019

Brasil | SP





RICARDO BOECHAT MORRE EM ACIDENTE AÉREO EM SÃO PAULO




Foto: Reprodução - TV Band

Ricardo Boechat, um dos jornalistas mais respeitados do país, morreu nesta segunda-feira, dia 11, em queda de helicóptero na rodovia Anhanguera, junto ao Rodoanel. A aeronave perdeu altitude e se chocou num caminhão que passava no momento. Além de Boechat, o piloto do helicóptero, Ronaldo Quattrucci, morreu no local. O motorista do caminhão, João Adroaldo Tomackeves, foi retirado das ferragens por Leiliane Rafael Silva, mulher que passava de moto no período em que aconteceu a tragédia, A equipe de Corpo de Bombeiros recebeu o chamado de socorro às 12h14, chegou ao local e realizou atendimento ao motorista e o cessar das chamas.


Mais cedo, o jornalista tinha ancorado o seu tradicional jornal na rádio BandNews FM e abordou entre alguns temas as consecutivas tragédias em que o país estava passando nos últimos dias. Depois foi para Campinas, interior de São Paulo, para participar da convenção de uma empresa da industria farmacêutica, que abordava temas que envolve a ética.

Após participação no evento, Boechat seguiu de helicóptero com a intenção de retornar à Band.


RESUMO DA CARREIRA NO JORNALISMO


O brasileiro nascido em Buenos Aires começou a carreira no jornalismo na década de 1970 como repórter no extinto jornal "Diário de Notícias", na coluna do jornalista Ibrahim Sued. Também foi chefe de reportagem na Rádio Nacional em 1973 e atuou no "Jornal do Brasil" no início dos anos 80.


Sua primeira passagem pelo jornal "O Globo" foi de 1983 a 1987, quando se desligou da empresa para assumir por 6 meses o cargo na secretaria de Comunicação Social do Rio no governo Moreira Franco. Em 1991 retornou ao jornal e ficou até 2001. No mesmo ano em que saiu do Grupo Globo, voltou ao "Jornal do Brasil" e na redação do periódico também gravava participações como colunista do "Jornal do SBT", ancorado pelo jornalista Hermano Henning. Boechat trabalhou também no jornal "O Dia" e foi professor universitário no Rio.


Em 2006 foi para o Grupo Bandeirantes de Comunicação, inicialmente como colunista do "Jornal da Noite", depois como diretor de Jornalismo da Band no Rio de Janeiro e apresentador do "Jornal da Band" na folga dos titulares. Após a saída de Carlos Nascimento, Boechat assumiu a ancoragem do "Jornal da Band", principal telejornal da emissora e da BandNews FM, um sucesso no horário. Paralelamente ao trabalho na TV e rádio, Ricardo também foi colunista da revista "IstoÉ" e escreveu com Sergio Pagano um livro sobre a história do Hotel Copacabana Palace.


No quesito prêmios, o argentino de coração brasileiro e alma carioca conquistou inúmeras condecorações por sua contribuição no jornalismo. Dentre eles: Três prêmios Esso (1989, 1992 e 2001), nove do portal "Comunique-se" como melhor âncora de telejornal ("Jornal da Band") e de rádio (2006, 2007, 2008, 2010, 2012, 2013, 2014, 2017), Troféu Imprensa - melhor âncora de telejornal (2016), além da premiação da revista "Contigo! Online" em 2018, como o melhor âncora de TV.

BOECHAT SENDO BOECHAT - A PERSONALIDADE DO JORNALISTA



De personalidade marcante, Boechat era um profissional exigente, sério, direto e franco, mas que conseguia mesclar tudo isso com muito gentileza, bom humor e principalmente com ironia, quando era para opinar sobre temas que impactam na vida dos brasileiros, como: política, economia, saúde, mobilidade urbana, desigualdade social no país.


Cobrava da equipe informação bem apurada e atenção as solicitações dos ouvintes e telespectadores. Comportamento que aproximou o público para o rádio e o telejornal com um jornalismo de qualidade e numa linguagem que alcançava todas as esferas da sociedade. Também desenvolvia e executava campanhas em parceria com órgãos públicos e independentes em prol de doação de sangue e demais serviços para população (emissão de carteira de trabalho, RG, e de saúde).


Fez telejornalismo sério e opinativo. porém, sem deixar de satirizar. Episódios como o dia em que foi "substituído" por um robô no "Jornal da Band" e quando finalizou uma das edições do noticiário com uma peruca, após ter ido ao ar uma matéria sobre um novo medicamento que faz o cabelo crescer, trouxe a leveza necessária diante de tantas notícias difíceis de noticiar.



DEPOIMENTOS


Após a confirmação da morte a repercussão foi imediata nas redes sociais. E muitos jornalistas e profissionais que trabalharam com Boechat comentaram sobre a contribuição do âncora no jornalismo brasileiro. Veja alguns depoimentos:

"Meu querido amigo Ricardo Boechat. Não posso acreditar. Eu lhe devo tantos favores, tantas palavras generosas em momentos difíceis. Você foi pessoa linda, jornalista maravilhoso. Ai Boechat, tão cedo, tão cedo amigo".
Míriam Leitão

"Morre o MAIOR jornalista do Brasil em qualquer mídia. Ele me batizou de “Pitonisa” e já fez até pegadinha comigo, quando mudo meus placares. Grande Boechat! Grande amigo!"
Milton Neves
“Tem coisas que a gente não gostaria de noticiar. Essa é uma delas. Estou chocada, muito, muito triste. Tinha profunda admiração pelo Boechat. Achava ele um cara muito intenso, que falava com muita propriedade, era muito responsável. Era um grande professor, um cara muito inteligente e um grande colega. Ele estava sempre distribuindo piadas e sorrisos. Boechat tinha autoridade para falar as coisas e, ao mesmo tempo, era bem-humorado, cobrava quando tinha que cobrar, brincava quando tinha que brincar. É difícil ver um jornalista assim".
Ana Paula Padrão


"O Boechat era um colecionador de prêmios e de amigos. Acho que esse é um resumo muito pertinente do que ele representou para todos nós jornalistas, mas eu acho que todos nós também hoje temos uma tristeza avassaladora com a perda dele, não só porque esse cara tão legal foi embora, mas porque esse cara tão legal e importante vai fazer falta nesse momento tão delicado e desafiador para o jornalismo profissional".
William Bonner
"A dor é enorme. Você merece todas as homenagens do mundo. Por enquanto, só consigo dizer: obrigada por ter feito parte da minha vida. Com amor, Paloma, Felipe e Maya".
Paloma Tocci
"Meu amigo querido! Meu vice amado! Nossa química foi instantânea. Foi quase no primeiro dia. Antes de entrar no ar, eu ouvia as opiniões dele sobre política, sobre tudo. Ele era um vulcão. Sabe vulcão quando entra em erupção? Boechat não tinha partido, preferência, antipatias ou simpatias eternas, era coisa do dia mesmo. Ele atirava para todo lado, vamos combinar"
José Simão

"Não é um dia de tristeza, será uma vida sombria sem encanto, sem inteligência, sem brilho, sem Ricardo Boechat. Não é tristeza por um único dia, não é só sofrimento para hoje. Quem conheceu o Boechat, e eu sou uma privilegiada, porque não só como profissional estive com ele, mas o conheci nos bastidores com a sua simplicidade, com o seu sorriso largo, com suas palavras sem bem colocadas. Ele foi brilhante! Ricardo Boechat foi um dos colegas que mais me inspiraram, e que mais me trouxeram benefícios na vida profissional e pessoal. Uma pessoa de uma generosidade incrível e a Band me proporcionou na minha primeira Copa do Mundo, em 2010, que eu fizesse todos os pré-jogos ao lado desse cara, que não conhecia só da vida, mas que com experiência e diferencial fazia um jornalismo único, sagrado e que chegava na população".
Renata Fan
"Acordamos sem o nosso chão, sem a nossa referência, sem o nosso exemplo, sem o nosso espelho. E pessoalmente sem meu amigo, meu padrinho, sem o meu segundo pai. Os últimos 14 anos não há uma decisão profissional e pessoal que eu tenha tomado na minha vida sem consultar esse homem, sem ouvir as palavras dele, sem saber o que ele tinha a dizer, sem ouvir seus conselhos, sem contar com o seu carinho. Como é difícil falar dele no passado. Boechat era um homem duro, mas justo e o maior companheiro que tivemos aqui na Band"
Luiz Megale



HOMENAGEM NO "JORNAL DA BAND"


Na edição desta segunda (11/02) do principal telejornal da emissora, o "Jornal da Band" repercutiu o acidente e prestou homenagens ao Boechat, que era âncora na rádio e TV do Grupo Bandeirantes de Comunicação. Reveja abaixo o tributo dedicado ao jornalista.


#RicardoBoechat #Boechat #ObrigadoBoechat #TocaObarco #Jornalismo

© 2020 - Vitor Catanho

Todos os direitos reservados

  • https://www.youtube.com/channel/UCZz
  • Black LinkedIn Icon