Wilson Witzel é empossado como Governador do Rio

02/01/2019


Política


Wilson Witzel é empossado como Governador do Rio



Ao som de gaitas da banda marcial dos fuzileiros navais, foi iniciado ontem pela manhã, 01 de janeiro, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, a sessão solene de posse do Governador Wilson Witzel, que chegou acompanhado da esposa, Helena Witzel, do vice-governador, Cláudio Castro e familiares.


Para compor a mesa, foram convidados: o Cardeal Orani João Tempesta. Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro; deputado Rodrigo Maia, presidente da Câmara Federal; Marcelo Crivella, prefeito da Cidade do Rio de Janeiro; desembargador André Fontes, presidente do Tribunal Regional Federal da segunda região; Marfan Martins Vieira, subprocurador-geral de Justiça e relações institucionais defesa de prerrogativas do ministério público do Rio de Janeiro.


Após execução do Hino Nacional pela banda de música dos fuzileiros navais, o deputado André Ceciliano (PT), presidente da Assembleia Legislativa em exercício, discursou sobre o atual período de crise na economia e política em que o Rio passa. Destacou algumas medidas adotadas nesse momento difícil em relação a redução de custos, orçamento e reorganização de verbas para serviços público. No final do pronunciamento, desejou sucesso ao novo governador.


Em seguida, Witzon fez a leitura do compromisso e assinou o termo de posse: “Senhor presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, prometo manter, defender e cumprir a constituição, observar as leis e promover o bem geral do povo do Estado do Rio de Janeiro”.


Já empossado, o novo governador do Rio destacou as prioridades do governo, dentre elas: o de rever os custos, buscar recursos para os municípios e apoio ao governo federal no que tange as reforma tributária, previdenciária e econômica, como caminho para reestruturar o Estado.


Em relação aos crescentes casos de violências no Estado, o novo governador promete investir em segurança pública por meio da instalação do Conselho de Segurança, reorganização das estruturas policiais, treinamentos e integração de forças para combater o crime organizado.


“Não podemos mais viver sem liberdade, com medo de sair às ruas, sem saber se voltaremos. Criminosos assumiram, pelo poder das armas, o domínio de porções do nosso território, trazendo desgraça e desordem ao cidadão de bem.”


Witzel reafirmou que a educação e a saúde serão tratadas como política pública estratégica. Pretende investir em formação tecnológica para jovens, e trabalhará para integrar os órgãos municipais, estaduais e federais, visando a prestar atendimentos com mais agilidade, eficácia e com redução de custos.


“É grande o desafio de manter os serviços públicos em condições dignas de funcionamento ao mesmo tempo reorganizar o tão combalido orçamento e os gastos públicos. Não menos desafiadora será a retomada do crescimento econômico com geração de emprego e de renda.”


No primeiro discurso, também falou sobre a importância da Agricultura no interior do estado e turismo, como meios essenciais para fortalecer a economia. O governador agradeceu a oportunidade e finalizou citando uma frase de Carlos Lacerda: “A impunidade gera audácia dos maus. O futuro não é o que se teme, o futuro é o que se ousa. Eu ousei.”


A transmissão de cargo ao governador eleito, foi realizada no dia seguinte, às 14 horas e 20 minutos no Palácio Guanabara. Francisco Dorneles, que assumiu o governo após prisão de Luiz Fernando Pezão, participou da cerimônia de passagem. Essa parte da cerimonia não foi realizada no dia 1 de janeiro em virtude da ida do Governador à Brasília, para a posse do presidente Jair Bolsonaro.


O evento no Palácio do Planalto contou com os protocolos da revista da tropa, o desfile da guarda palaciana, a execução do Hino do Estado do Rio de Janeiro e bênção ecumênica.

© 2020 - Vitor Catanho

Todos os direitos reservados

  • https://www.youtube.com/channel/UCZz
  • Black LinkedIn Icon